Como escolher um bom óleo de coco – minha experiência

O óleo de coco me acompanhou diariamente por mais de um ano. Tomei uma colher de sopa todos os dias pela manhã e quando sentia vontade de comer doces. Fiz uso interno dele para tratar candidíase.

Sim, porque o óleo de coco é fungicida e bactericida e por isso ajuda a tratar casos como Candidíase.

No início parecia estranho tomar uma colher de óleo (veja aqui o vídeo onde falo da minha trajetória com os óleos em geral e o óleo de coco em especial). Mas logo me acostumei ao sabor. Passei a gostar inclusive quando sentia vontade comer um doce, eu tomava óleo de coco. Óleo de coco extra Virgem de boa qualidade tem sabor de coco adocicado e um cheirinho delicioso. Como eu estava evitando doces e açúcar mesmo o mascavo e eu adoro doces percebi que o óleo de coco poderia me ajudar inclusive nesses momentos. Além de substituir o doce que agravava o caso de candidíase quase instantaneamente o óleo de coco ainda ajudava a tratar.

              025EDB1F-601A-4C25-A032-9F059D8B9999489920B9-1956-4DF0-A6EA-C9322C23957AC4CA5415-9F58-4A15-91EA-CFB4B3C36A72

Diferenças entre os óleos de coco

Óleo de coco - partes da planta
Óleo de coco – partes da planta

Como foi um período longo, fui experimentando várias marcas de óleo de coco. Foi surpreendente a grande diferença entre as diferentes marcas. Alguns óleos tinham gosto rançoso e amargo. Aos poucos fui me dando conta que essa variação é devido a marca do óleo de coco. Comecei a dar preferência então ao óleo de coco extra virgem da Finococo. Em geral não era fácil de achar, mas praticamente todas as vezes que comprei outras marcas me arrependi. Inclusive cheguei a comprar um óleo de coco artesanal ao lado de um coqueiral, no interior da Bahia. Curiosamente, foi a pior experiência, o óleo era simplesmente horrível! Usamos para tratar madeira.

Interessante perceber como as vezes a questão não é o produto em si mas a qualidade da marca, a forma como ele é produzido. Isso acontece não só com produtos mas também com serviços. Com yoga, por exemplo, sou professora de yoga e percebo hoje, com a experiência que eu tenho, existem muitos tipos de aula de yoga. Muitas pessoas fazem uma aula de yoga e concluem que não gostam de yoga, que não é para elas. Se essas mesmas pessoas experimentassem diversas aulas de yoga com certeza encontrariam o estilo com o qual mais se identificam. 

Como gosto de estudar e aprender mais sobre o que eu estou consumindo fui pesquisar mais sobre o óleo de coco. Queria entender as causas de tanta diferença no resultado.

Origens dos óleos de coco

Óleo de coco e suas origensMinha primeira surpresa foi em relação a origem do óleo de coco. Grande parte do óleo de coco no Brasil é importado de países asiáticos, ou seja, além de não ser um produto nacional ainda vem de bem longe. Quando um produto não é local e ainda por cima vem de bem longe a pegada ecológica, a pegada de carbono é proporcionalmente maior. Como na minha vida o consumo consciente é uma prática contínua sempre cuido da pegada ecológica do que consumo. Acredito que se está aqui provavelmente também tem esse cuidado!

Esses óleos de várias origens podem ser inclusive misturados entre si, óleos de coco de várias origens. Isso sem pensar na outra grande quantidade de óleos de coco misturados com outros óleos, como com óleo de soja, por exemplo.

É no mínimo incoerente sendo o Brasil um dos maiores produtores de óleo de coco do mundo importar óleo de coco de menor qualidade. Isso acontece especialmente para que algumas empresas tenham mais lucro. Então quando a gente escolhe um óleo de coco de uma marca brasileira pensando na nossa saúde e na sustentabilidade não necessariamente o conteúdo é de coqueirais brasileiros. Inclusive a questão social também é delicada já que em países como a Malásia o trabalho análogo ao escravo é bem mais comum do que aqui no Brasil.

Armazenamento do óleo de coco

Outra descoberta foi que esse óleo de coco que vem de fora do país pode ficar no tempo até meses em barris de metal. Esses barris em geral tem um revestimento interno de plástico. O óleo em contato com um plástico costuma absorver as ingredientes tóxicos do plástico o que é nada saudável para quem ingerir.

Extração do óleo de coco

Isso tudo sem falar na forma de extração do óleo da fruta. Porque sim o óleo pode ser extraído a frio, a quente e até quimicamente. Com isso os óleos podem ter muita diferença no resultado.

Eu prefiro com seu aroma natural. Pois são os óleos essenciais que conferem o cheiro característico das plantas e são justamente parte da sua defesa. Os óleos essenciais fazem parte do sistema imunológico da planta. É aí que estão especificamente, em vários casos, as propriedades bactericidas, fungicidas…

Com isso tudo fica mais explícito porque a diferença tão grande nos sabores dos diversos óleos de coco. Nossos sentidos deixam bem nítida a diferença, às vezes não damos atenção a eles, mas estão sempre nos alertando.

Pronto! Agora tem um pouco mais de liberdade de escolha! Afinal sem termos informações sobre o que consumimos não temos verdadeira liberdade de escolha. Não é?!

Espero que com essas informações decida investir em mais saúde para si, todos os seres e o planeta na escolha do seu óleo de coco.

Aqui os links: Quer comprar para experimentar? Quer revender?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *